16 comentários em “Ninguém falava em bullying

  1. Numa boa, não acho que a vida seja fácil mas há regras de convivência, contratos e leis trabalhistas que visam justamente coibir um vale tudo nas relações entre adultos.

    Há várias maneiras das pessoas aprenderem que a vida não é fácil, não precisa de bullying pra isso.

  2. hahahha boa tira… mostra o futuro dos agressores, uma mesa de bar, e ele reconhecendo que não era legal.
    Tem que fazer o outro lado, o do que recebia bullying, provavelmente estará bem sucedido.
    Vejo que a sociedade antes com bullying e sem tanta coisa de politicamente correto preparava melhor as crianças. A vida de adulto não é o mar de rosas onde todos são educadinhos. As empresas, os negócios, não estão preocupados com não magoar ninguém,
    Tenho receio dessa geração, que não pode ouvir um ‘não’, quando entrar no mercado de trabalho, ou até mesmo as dificuldades da vida adulta. Ou os pais vão estar a vida toda dando mesada e lavando as suas roupas….

    1. Você está misturando as bolas. Não sofrer bullying não tem nada a ver com ter todos os desejos atendidos e não ter responsabilidades. Quanto a todos não serem “educadinhos” na vida adulta, isso é consequência da mesma cultura que propicia o bullying, o assédio e tudo mais. E mais uma coisa: basta ver como o mundo está hoje, cheio de adultos que não se preocupam com nada além do próprio umbigo, que se percebe que a maneira de se criar crianças antigamente não tinha nada de melhor.

    2. Do jeito que li a tirinha, a leitura é dúbia. Ele tanto pode ter sido um agressor quanto sido agredido, ou até mesmo ambos.

      O problema é pensamentos como o seu.

  3. Graças a Deus ???
    Só quem não viveu aquela época pode falar uma idiotice destas.
    O sistema era bruto ? sim, mas pelo menos tinha personalidade e o número de casos de depressão
    era muito menor.
    Geração que quer pregar o amor mas só tem ódio e quer proibir tudo.
    Bando de infelizes.

    1. Eu não concordo com você e acho que deveríamos resolver isso usando força física. Como eu não tenho muita, chamarei um primo mais velho que tem passagem pela polícia e perfil de psicopatia (mas não diagnosticado… eu só acho).

    2. Como alguem que cresceu naquela epoca, graças a deus que acabou. Era tudo no soco, sempre tinha uns que não sabiam quando parar, não importava se ganhava ou perdia a briga sempre arrumava mias razão pra continuar.
      E nem vem com essa historia que o caso de depressão era menor, pq era enorme e as pessoas não falavam disso. Essa depressão se manifestava de varias formas, a pessoa parava de conversar ou só arrumava mais briga.
      Era tudo um circulo vicioso, e todo mundo que sente saudade daquilo não apanhou o suficiente.

      1. Sou sim bem saudável, aliás já fui engenheiro Agrônomo, piloto de avião e hoje tenho uma empresa de desenvolvimento de software, mais para ter o que fazer do que por precisar.
        Não desperdicei minha vida atrás de teclado/tela não.
        Mas como todos do teu tipo, são ironicos porque são sem argumento, pregam amor mas são a geração
        com mais ódio que já observei.
        Sim, brigávamos mesmo, na rua mesmo, soco, pontapé, etc
        Iamos para casa e ainda apanhávamos de nossa mãe.
        Não tinhamos estes trauminhas mimi fedorentos que vocês tem.

        1. Sou sim bem saudável, aliás (…), mais para ter o que fazer do que por precisar.
          Então na verdade você não é nada disso que você está falando. Você é filhinho de papai, herdeiro. Não é pobre trabalhador como muitos de nós.
          Não desperdicei minha vida atrás de teclado/tela não.
          Acabou de desperdiçar comentando aqui.

          Mas como todos do teu tipo, são ironicos porque são sem argumento, pregam amor mas são a geração com mais ódio que já observei.
          Que frase padrão MBL (turminha irônica sem argumentos, diga-se de passagem), hein? Olha quem está odiando aqui. Está comentando e reclamando uma tirinha que te fez refletir. Se sentiu ofendido e com isso se sentiu na obrigação de comentar.
          E estamos em uma geração mais atenta a diferença entre as pessoas. Por exemplo, se descobrimos que você ganhou dinheiro pilotando avião para o PCC ou sendo engenheiro de software do jogo do tigrinho, talvez teremos direito de dar risada quando você for preso pela polícia.
          Sim, brigávamos mesmo, na rua mesmo, soco, pontapé, etc Iamos para casa e ainda apanhávamos de nossa mãe.
          Não tinhamos estes trauminhas mimi fedorentos que vocês tem.

          Só esta frase inteira já diz seu trauma. Porque gente que não tem trauma nem entra no assunto.

          Dica: vá se tratar.

          1. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
            Rapaiz !!!! parabéns, acaba de me mostrar que o ódio no coração de vocês é imenso.

            Não se atem a fatos, mas sim a falar mal de alguém que não tem a menor ideia de quem
            seja.
            Sim, sou filho de família tradicional, tenho quase 59 anos e hoje me dou o luxo de perder tempo da maneira que eu quiser.
            Já trabalhei muito e ainda continuo.

        2. Assim respondeu a pessoa que se sentiu com ódio ao ler a tirinha, senão nem teria vindo ler. Quem começou o mimimi foi você, não foi nós.

          E legal saber de sua situação social, torcendo quea polícia federal dê três batidinhas na sua porta dado que provavelmente votou no salnorabo na última eleição. Já que se dá ao luxo, então torcendo que a polícia tire seus luxos (grato pela polícia hoje estar indo atrás de tipinhos como tu, diga-se).

          1. Nussa !!!! foi de zero a1000 em duas esquentadas rsrsrsrsrs
            Agora quer a polícia federal na minha casa !!!!!
            Mas podem vir, eu não tenho nada de ilegal na minha vida.
            Tirou isto de onde ? do ódio gratuito de seu coração ?

        3. Ainda continua com ódio no coração, pois se não tivesse nem gastaria tempo com comentários na internet, mas sim programando para a EMBRAER…

          A propósito, engraçado, né? Pessoas que não respeitam a vida alheia e sem empatia nenhuma – o que parece ser seu caso – serem responsáveis pela vida de milhares de pessoas… já pensou nisso? Se sim, antes que responda, melhor nem responder e gastar seu tempo revisando o que faz, já que “só trabalha para ter o que fazer”, pois se trabalhasse por necessidade e amor ao que faz, estaria dedicando tempo nisso ao invés de se sentir ofendido com uma tirinha online e respondendo as pessoas pensando que tem razão na vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *